fbpx

A rotina de Afonso Borges e 10 dicas e anotações literárias

23 de agosto de 2019

 

A rotina de Afonso Borges é uma coisa organizada, pausada e com bastante lógica. Pela manhã, ao acordar, tem que escrever um manifesto sobre a inexistência de golfinhos no lago Paranoá, em Brasília; em seguida, podcast sobre filatelia e numismática na BandNews; na sequência, acompanhar o para casa da Manu e, ao mesmo tempo, ler o novo livro do Frei Betto, ligar para o Sesc Piracicaba para fechar o lançamento do Luiz Ruffato, enquanto seleciona as fotos do evento com a Lilia Schwarcz que devem entrar no Facebook. Isso sem esquecer de cuidar do Teco, canarinho belga  que, para o desespero dos ecochatos, ele comprou no Mercado Central e que não para de cantar um minuto sequer. Pensa também, às vezes, no romance que começou a escrever e largou, de selecionar, entre 400 poemas, uns 50 para um livro que a Editora Nós, da Simone Paulinho, pediu e no que vai fazer no Reveillón, sabendo que cada uma das três filhas querem ir para um lugar diferente no planeta Terra. Isso porque ainda não inventaram uma condução para Marte.

 

Por isso, ele selecionou 10 dicas, anotações, sugestões, obrigações e pedidos que estão no seu dia-a-dia, para o podcast do Mondolivro, na Rádio BandNews Belo Horizonte.

 

Ouçam, teclando nas plataformas a seguir. Mais abaixo, o arrazoado da coluna.

 

SoundCloud

Spotify 

Apple Podcasts 

 

1 – FLIR – http://www.festivallivronarua.com.br/

2 – Livro Lucas, 43 anos da morte de Jk

3 – Lendo, no original, o novo livro de Clóvis de Barros Filho

4 – Cuidando das peças publicitárias do Sempre um Papo. Olhem a programação no sempreumpapo.com.br

5 – Lendo também, no original, uma novela de Tonico Mercador, chamada “O Invasor de Livros”;

6 – Recebi, do Frei Betto, “Minha Avó e seus Mistérios”, que será lançando no dia 02 de outubro, na Biblioteca Pública Estadual

7 – No dia  10 de setembro, João Candido Portinari faz uma palestra sobre a vida do seu pai no Palácio das Artes. Aproveita para lançar o livro de poemas de Portinari, lançado pela Funarte. Funarte, viu, Leonidas?

8 – Livro de Lilia Schwarcz sobre a obra de Adriana Varejão. Tô querendo fazer o lançamento em dezembro, no pavilhão dela, em Inhotim.

9 – Lindo, lindo, lindo o  novo livro de Adriana Lisboa, intitulado “Todos os Santos”, publicado pela Companhia das Letras.

10 – Professor Danilo Miranda, diretor do Sesc SP, me deu de presente o livro de Grada Kilomba – Memórias da Plantação – Episódios de Racismo Cotidiano, editado pela Cogogó. Lendo, com prazer.