Academia Sueca ganha o Nobel por violência sexual, corrupção, nepotismo, desfalque e vazamento de informações

7 de maio de 2018

Pedro Juan Gutiérrez

E agora, Ladbrokes? A famosa casa de apostas londrina acerta o nome do Nobel de Literatura há anos e anos. O jornal Dagens Nyheter noticiou que o dramaturgo e fotógrafo Jean-Claude Arnault, pivô do escândalo que jogou ladeira abaixo o prestígio da Fundação Nobel, vazava informações dos vencedores desde 1996. Detalhes da arapuca estão nas páginas de todos os jornais do mundo, não é necessário repetir aqui. 

Vamos lá: conversa já não é boa há muitos anos. Arnault é um agressor de mulheres desde os anos 90, segundo denúncia feita pelas próprias vítimas. Além disso, é casado com poeta Katarina Frostenson, membro da academia sueca. Eles são proprietários de um clube cultural privê chamado “Fórum”, subsidiado por fundos da própria Academia. Na minha terra isso se chama Nepotismo. E mais: a confusão não começou no escândalo sexual e sim no pedido formal de alguns membros da Fundação ao solicitarem uma auditoria neste “convênio”. Aí sim a coisa se revela - o assunto é grana - grana desviada. Na minha terra isso se chama desfalque, corrupção. 

Como todos sabem, a Fundação Nobel, fundada em 1900, vive dos fundos de aplicação em mercado financeiro.  O rendimento anual é distribuído na forma de prêmios. Os investimentos da Fundação não vão nada bem, por isso, ano a ano, os valores andaram caindo. Ano passado, pagou 930 mil dólares, mas já pagou 1,5 milhão. Para 2018, o valor programado era menor ainda. Por isso, na minha opinião, a vitória de Bob Dylan era necessária, em 2017, para trazer mídia e marketing para a Academia. Mas este ano eles realmente exageraram. 

Outro ponto de discórdia é o caráter vitalício dos mandatos dos 18 membros. Não é permitida a renúncia. Por discordar dos métodos adotados, dois deles, há anos, se abstiveram das reuniões. E os 16 que sobraram praticavam a arte da guerra como poucos. Até que as esposas de alguns deles foram à Policia como vítimas de agressão sexual do safadinho do Jean-Claude. Com direito a estupro, inclusive, nas dependências da Academia! Se fosse na minha terra, iria rolar crime passional, FÁCIL - o que não é novidade, pois Minas Gerais lidera, há anos, os casos de violência contra mulheres. Isso sem falar nas maracutaias: como mostra Jacques Fux em seu livro “Nobel”, alguns dos membros da Academia fazem a tradução dos livros dos atores premiados. Qual é mesmo o nome disso? 

Diante de tanta polêmica, novamente a Academia Sueca mostra a sua melhor face: são bambas no marketing! Por isso, o Nobel de Literatura será o único a não ser concedido este ano - o único! Isso gera, no contrafluxo, uma corrente dobrada de expectativas para 2019, quando dois escritores (ou não…) ganharão a honraria. Dito isso, meu voto Nobel de Literatura de 2018 só pode ser para um escritor: Pedro Juan Gutiérrez - perfeito para a ocasião. 

E a Ladbrokes? Bem, a Ladbrokes vai continuar acertando o prêmio Nobel de Literatura. Por que não?

[fbcomments]