Autores internacionais no Sempre um Papo e Fliaraxá

20 de junho de 2018

O Sesc SP e o Museu do Amanhã compartilham com o Fliaraxá a presença de quatro importantes autores internacionais no Brasil: Valter Hugo Mãe, Juan Pablo Villalobos, Gonçalo Tavares e Philippe Dubjois. Nesta parceria, os escritores conversam com o público em São Paulo (Sesc Vila Mariana, Sesc Avenida Paulista e Sesc 24 de Maio) e no Rio de Janeiro (Museu do Amanhã) e seguem para Araxá, onde se apresentam no festival mineiro, que está em sua sétima edição e vai reunir cerca de 80 autores entre 27 de junho e 01 de julho. Todas as atividades são gratuitas.

Valter Hugo Mãe abre a série de eventos, no dia 18 de junho (segunda-feira), às 20h, no Teatro Municipal de Araxá, quando participa do Pré-Fliaraxá, projeto com diversas atividades literárias que funciona como aquecimento para o Festival. No evento, Valter falará sobre sua carreira literária, além de debater sobre seus livros O Remorso de Baltazar Serapião, vencedor do Prêmio Literário José Saramago; e O Paraíso são os Outros, que acaba de ganhar edição inédita ilustrada pelo autor. No dia seguinte, 19 de junho, terça-feira, às 20h, Valter Hugo estará no Sesc Vila Mariana (R. Pelotas, 141 – Vila Mariana/SP).

Gonçalo Tavares estará no dia 26 de junho, terça-feira, às 19h30, no Sesc 24 de Maio (Rua 24 de Maio,109, Centro/SP) para debate sobre o tema “Literatura e Imagens”e para falar sobre seus livros, em uma ação do Sempre Um Papo. Ensaísta, dramaturgo, professor e escritor, considerado a grande voz do romance português contemporâneo, com obras traduzidas para mais de 30 línguas, em 46 países, nasceu em Luanda, Angola, em 1970, tendo se mudado logo a seguir para Portugal. Estreou na literatura aos 31 anos e hoje éautor de 30 livros. Considerado um Kafka português, recebeu os mais importantes prêmios da língua portuguesa, como o Portugal Telecom, em 2007; o Prêmio José Saramago, em 2005, e o Prêmio LER/Millennium BCP, em 2004, com o romance Jerusalém. E, no dia 28 de junho, quinta-feira, Gonçalo participará do Fliaraxá.

O escritor mexicano Juan Pablo Villalobos estará no dia 28 de junho, quinta-feira, às 20h, no Sesc Avenida Paulista (Av. Paulista, 119 – Bela Vista/SP) para lançar o livro Ninguém Precisa Acreditar em Mim, da Companhia das Letras. Na obra, o autor mistura ficção a fragmentos da própria biografia, contando a história de um jovem mexicano prestes a viajar para Barcelona para cursar um doutorado “sobre os limites do humor na literatura latino-americana do século XX”. Antes da viagem, porém, ésurpreendido por uma reunião de negócios que deixarámarcas irreversíveis. Hoje radicado em Barcelona, onde de fato defendeu um doutorado na Universidad Autónoma de Barcelona sobre autores latino-americanos pouco conhecidos, Villalobos viveu alguns anos em Campinas. Juan Pablo Villalobos nasceu em 1973 em Guadalajara, México. Os livros Festa no covil (2010), Se vivêssemos em um lugar normal (2012) e Te vendo um cachorro (2015) formam a chamada trilogia mexicana. No voy a pedirle a nadie que me crea, lançado em 2016, foi publicado a partir do prêmio espanhol Herralde de Novela. No dia 29 de junho, Juan Pablo participa do Fliaraxá.

O jornalista francês Philippe Lobjois encerra a série de eventos falando sobre “A Guerra na Síria e a Questão dos Refugiados” e lançando o livro “O Diário de Myriam” (DarkSide Books) em São Paulo, no dia 28 de junho, quinta-feira, às 19h30, na Blooks Livraria (Rua Frei Caneca, 569 – 3º Piso – Consolação) e no Rio de Janeiro, no dia 03 de julho, terça-feira, às 19h, no no Museu do Amanhã (Praça Mauá, 1 – Centro/RJ). O obra traz o sensível e impactante relato da jovem síria Myriam Rawick, de 13 anos, que se tornou uma refugiada em sua própria cidade a partir dos conflitos deflagrados na Síria. Com o apoio de sua mãe, a jovem registrou tudo: lemas revolucionários pintados nos muros, manifestações contra o governo, o sequestro de seu primo, os bloqueios e os combates. Em dezembro de 2016, o jornalista francês Philippe Lobjois conheceu a história da menina e seu diário de cerca de 50 páginas e viu a oportunidade de contar a experiência da guerra segundo a voz de alguém que a estava vivendo de perto. O diário, que cobre o período de novembro de 2011 a dezembro de 2016, acaba de ser traduzido para o português e publicado no Brasil pela editora DarkSide. Entre os dias 29 de junho e 01 de julho, Philippe Jobjois participa de várias atividades no Fliaraxá.

 

[fbcomments]