fbpx

Festival “Lisboa 5L” celebra o Dia Mundial da Língua Portuguesa, em 5 de maio

30 de abril de 2020

Com debates on line, Brasil será representado por Antonio Prata e Afonso Borges
 
Na próxima terça-feira, 5 de maio, Dia Mundial da Língua Portuguesa, data ratificada em 2019 pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), será realizado o primeiro Festival Internacional de Literatura e Língua Portuguesa em Lisboa, o Lisboa 5L. Uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa para promover a língua, a literatura, os livros, as livrarias e a leitura. A ideia do diretor artístico e curador, o português José Pinho, era realizar um evento presencial, mas devido a pandemia do Convid-19, a primeira versão será on line e contará com autores e personalidades ligadas ao universo literário, em língua portuguesa. Do Brasil, participam Afonso Borges, criador do Fliaraxá e do Sempre Um Papo, e o escritor Antonio Prata. O público poderá acessar todas as informações pelo Site do evento. .
 
Na programação estão previstos dois debates e exibição de dois curta-metragens – “A Língua Portuguesa a Gostar Dela Própria”, de Tiago Pereira, com as variações dialéticas que estão disponíveis no Centro de Linguística da Universidade de Lisboa ou nos arquivos do diretor; e o filme “Vozes de Português”, que mostra as variedades da língua portuguesa e que traz um mesmo texto lido por pessoas de diferentes países ou regiões de Portugal. As duas mesas de debates são: “Viagens da Língua Portuguesa”, com mediação de Isabel Lucas – Portugal, e a participação do escritores Ana Margarida de Carvalho – Portugal -, do brasileiro Antonio Prata, de Flaviano Mindela dos Santos – Guní-Bissau -, de Germano Almeida – Cabo Verde -, de José Eduardo Agualusa – Angola e Olinda Beja – São Tomé e Príncipe. Juntos, eles falam sobre a importância deste reconhecimento, conferido à língua portuguesa por parte da Unesco, trazendo o argumento de ser o português a língua oficial de 260 milhões de pessoas e a mais falada no hemisfério Sul. A outra mesa é “Literatura de Reconstrução”, tema que surgiu a partir da fase de isolamento e falará sobre o papel da literatura e da edição em tempos de pós-calamidade, pós-coronavírus. Essa mesa terá mediação de Afonso Borges e contará com a participação dos escritores Dulce Maria Cardoso e Isabela Figueiredo, de Portugal, Luís Cardoso de Noronha, do Timor-Leste, Mbate Pedro, de Moçambique, e Ondjaki, de Angola.
 
Informações para a imprensa:
Jozane Faleiro – jozane@sempreumpapo.com.br – 31 992046367