fbpx

Onde estão todos? Hora de ajudar #Moçambique, a terra de Mia Couto

20 de março de 2019

Mia Couto

Comovente o audio do escritor Mia Couto sobre a tragédia que destruiu o centro de Moçambique, em especial, a sua cidade natal, a Beira. A noite do dia 14 de março, quinta-feira, nunca será esquecida. O  ciclone tropical Idai chegou na região de Sofala, trazendo chuvas intensas e enchentes devastadoras, que se prolongaram por 3 dias. Estima-se que 1.000 pessoas morreram e 450 mil estejam desabrigadas. Sendo que 250 mil são crianças. 

 

QUER AJUDAR MOÇAMBIQUE? LEIA A CARTA DE MIA COUTO: http://bit.ly/2Ju26bt

 

Mia Couto diz, no áudio, que a “Beira foi arrancada pela raiz. Na verdade, estou eu quase tão destruído quanto a minha cidade. É como se me tivessem arrancado parte da infância”. Completa dizendo que “todo o centro de Moçambique está por baixo de água: estradas, casas, torres de energia e de telecomunicações estão destruídas. Não consigo saber dos meus amigos que vivem na Beira”. 

É urgente que as autoridades e entidades do Terceiro Setor no Brasil se organizem para uma campanha humanitária para auxiliar o País africano. Ou que as próprias pessoas se mobilizem e colaborem com as instituições internacionais, como a Cáritas, a Cruz Vermelha e a Missão África. 

Devemos também refletir sobre a fala do angolano José Eduardo Agualusa, colaborador de “O Globo”, que alerta para a imensidão da catástrofe e pergunta: “porque não há mais notícias sobre esta situação nos noticiários internacionais? Porque não há mais países - governos e respetivas sociedades civis - movimentando-se para apoiar Moçambique?”. 

Onde está o Ministério das Relações Exteriores? As entidades não-governamentais brasileiras, onde estão? Moçambique é país-irmão, de língua e cultura identitárias. Em outra análise, o acontecimento do ciclone coincidiu com a tragédia da escola de Suzano, o que obnubilou a repercussão da tragédia no Brasil. Mas é hora de ajudar Moçambique. 

PS: o audio de Mia Couto está aqui: http://bit.ly/2TYjaKz