fbpx

É preciso trazer de volta os brasileiros abandonados no exterior

30 de março de 2020

 

Hoje, BandNews BHZ, o Mondolivro se joga nesta campanha humanitária #RepatriaçãodeBrasileiros. Ouça nas seguintes plataformas:

 

SoundCloud

Spotify

 

 

Nos últimos dias, advogados, jornalistas, professores universitários e familiares receberam uma chuva de pedidos, via WhatsApp, de brasileiros e brasileiras, desesperados, aguardando em aeroportos de todo mundo o regresso para o Brasil. São mais de 5.000 brasileiros que permanecem no exterior tentando contatos com embaixadas, consulados e empresas aéreas para retornar ao Brasil.

 

E a situação agrava-se a cada dia que passa por causa do avanço incontrolável do COVID-19, que obrigou os países a fecharem as fronteiras, diminuindo drasticamente o número de voos em operação. Atualmente, muitos destes brasileiros estão “jogados” no exterior,  pois, além de não dominarem o  idioma local, optaram por realizar estas viagens internacionais por motivos específicos: lazer ou trabalho. Por causa da pandemia, foram obrigados a interromper a atividade e não têm como voltar.

 

Vale esclarecer que, até o momento, algumas empresas aéreas se dispuseram a fornecer assistência de alimentação e de hospedagem aos passageiros que estavam com reservas nos voos cancelados. Os demais brasileiros que buscam, de forma desesperada, antecipar seus bilhetes não conseguem resposta quanto à previsão de confirmação da data de retorno ao Brasil.

 

Em situações análogas, o governo  brasileiro utilizou aeronaves da FAB para socorrer estes brasileiros no exterior, como no caso do Peru. Sabemos, inclusive, que alguns poucos conseguiram voltar em voos comerciais. Mas ainda é quase nada, afinal são mais de 5.000 brasileiros que ainda continuam no exterior.

 

Temos de cobrar do Ministério das Relações Exteriores, do Ministério da Justiça, do Turismo e da ANAC a estruturação de uma força-tarefa para repatriar estes brasileiros que têm o direito de voltar ao Brasil. São crianças, idosos, famílias, pais e mães sozinhos que já estão desprovidos de seus medicamentos de uso controlado e, sobretudo, de dinheiro para suprir suas necessidades básicas no exterior.

 

As companhias aéreas, com o surgimento do COVID-19, foi um dos segmentos mais atingidos, mas todos sabemos que é um setor essencial para a vida e para a segurança. Precisamos nos mobilizar com uma campanha de ajuda humanitária para trazer de volta estes brasileiros que estão em situação precária e abalados, sem saber quando poderão retornar ao Brasil. Se fossem poucos, já seria um bom motivo, como aconteceu no Peru. Mas são muitos – cerca de 5.000!

 

E o pior: os que não estão morando em aeroportos estão confinados nos países em condições inumanas.

 

O #MondolivroIndica o Youtube do Sempre um Papo e do Fliaraxá, onde estão centenas de progrmas com escritores para serem assistidos.

 

 

Luciana gaudio Martins Frontzek, em  Joanesburgo