fbpx

Muito além da estética

8 de julho de 2021

Por Laura Rossetti (*)

O Sempre Um Papo dá sequência à programação de 2021, ano em que comemora 35 anos de realização, com mais uma transmissão ao vivo pelas redes sociais do projeto. O convidado desta quarta-feira, 7 de julho, foi o designer e escritor Dijon de Moraes, para o lançamento do livro “Escritos De Design: Um Percurso Narrativo” (Blucher), durante a conversa mediada por Afonso Borges.

Dijon começou a live falando sobre as diferenças entre os campos de conhecimento do design e da arte. Enquanto a função do primeiro é dar sentido e solucionar probemas, a segunda não precisa ter significado, e nem sequer ser funcional. “Em síntese, o design seria a prótese do corpo humano, e a arte a protése da alma”, resume o autor.

Dando seguimento ao bate-papo, o autor contou que “Escritos De Design: Um Percurso Narrativo” foi o livro mais rápido que ele escreveu, tendo levado pouco mais de um ano para produzi-lo, enquanto os outros levaram entre quatro a seis anos de trabalho. Dijon atribui a isto o tempo que ele passou em Milão, na Itália, dedicando-se inteiramente a escrever o livro, principalmente após a necessidade de isolamento social imposta pela pandemia.

Perguntado sobre sua preferência em estudar e realizar boa parte de sua formação acadêmica na Itália, o autor respondeu que o país possui uma tradição cultural estética incomparável. “A questão da cultura material, seja da arquitetura ou dos objetos, é algo inconteste na Itália em relação aos outros países (…). Cada cappuccino que eu tomava em Milão vinha com a espuma temática: ou formava um coração ou um pinheiro. Tudo era desenhado e pensado esteticamente”, brinca.

Já no que diz respeito à história nacional, Dijon conta que, até o final do século XX, o design no Brasil era praticamente uma cópia do europeu. “A partir dos anos 90, acabou essa fase e entrou o que nós chamamos de multiculturalismo brasileiro”, que inaugurou a estética plural, múltipla, colorida e carnavalesca própria da cultura do país. Esta ruptura é abordada no livro “Análise Do Design Brasileiro” (Blucher), lançado pelo autor em 2006.

Já “Escritos De Design: Um Percurso Narrativo” apresenta o caminho profissional e as memórias do autor – muitas das quais, nas entrelinhas, justificam sua escolha de carreira. Apesar de, no livro, Dijon narrar sua trajetória no design, incluindo suas influências durante a infância e ao longo de sua formação acadêmica, o autor não considera a obra estritamente biográfica. “Como (no livro) eu misturo a questão pessoal, técnica e profissional, ele ganha a terminologia de ‘escritos’”.

Por fim, foi falado ainda sobre o significado do design e as áreas que ele abrange. “A tradução de ‘design’ ao pé da letra seria ‘concepção’, ‘projeto’, ‘ideia’”. Segundo Dijon, o design serve para antecipar um produto e uma necessidade e, por isso, ele se desdobra em diversas áreas de atuação: design de interiores, moda, jogos digitais, produto e ambientes, por exemplo. “Se você faz uma definição única (de design), você exclui alguma (dessas áreas)”.

Além de “Escritos de Design: Um Percurso Narrativo” e “Análise Do Design Brasileiro”, Dijon é autor dos livros “Limites Do Design” (Studio Nobel), de 1997, e “Metaprojeto: O Design Do Design” (Blucher), de 2010. Todos os quatro livros foram lançados no Sempre Um Papo.

Esta foi mais uma edição do #SempreUmPapoEmCasa, com acesso gratuito e tradução simultânea em Libras. Acesse a gravação completa da conversa nas redes sociais do Sempre Um Papo: Instagram, Facebook e YouTube.

*Estagiária sob a supervisão da jornalista Jozane Faleiro

Frases

“Nossa formação no Brasil como designer foi excessivamente racionalista e funcionalista, porque foi toda baseada nas escolas alemãs”. – Dijon de Moraes

“A Itália, dentro da cultura material mundial, é um caso à parte”. – Dijon de Moraes

“A unicidade do design brasileiro é a sua pluralidade”. – Dijon de Moraes

“Cada casa é uma fábrica de lixo, de desperdício de materiais, (portanto), se cada designer pensasse em uma forma de fazer uma embalagem para não causar impacto ambiental, salvaria o mundo”. – Dijon de Moraes

“O design vai da liberdade das artes plásticas ao rigor da engenharia”. – Dijon de Moraes