fbpx

O futuro do teatro será digital?

19 de novembro de 2020

Texto: Marina Vidal – estagiária sob supervisão

O Sempre Um Papo recebeu os atores Paulo Betti e Antônio Grassi, também diretor do Inhotim, para falarem sobre o tema “A vida como ela é/será”. Essa foi mais uma edição do projeto que está acontecendo de forma virtual, devido à pandemia do Covid-19. A conversa foi mediada pelo jornalista Afonso Borges, no dia 22 de julho de 2020, sendo transmitida pelo Youtube, Facebook e Instagram do Sempre Um Papo.

As alternativas criadas para o teatro na pandemia esteve na pauta do encontro. Paulo Betti está realizando uma peça online que é uma autobiografia. “Acho que ela está funcionando bem nesse veículo de transmissão na web, gostei muito de fazer porque é gostoso e a peça ficou bonita na tela”. Antônio Grassi elogiou Paulo e ficou entusiasmado com a interação do diretor com a equipe cenográfica. “Gostei muito de você falar que pela primeira vez você começou a se relacionar com os câmeras, porque normalmente na televisão e no cinema a gente se relaciona com os câmeras na hora da filmagem, e você interagia com ele como expectadores”.

Outra novidade imposta com a peça online é que as pessoas assistem às montagens de suas casas. “É diferente da concentração no teatro, as pessoas em casa, às vezes assistem pertinho do celular, ou em uma televisão maior, ou elas assistem um pedaço e o outro não”, lembrou Betti.

Antônio Grassi sempre foi muito avesso ao teatro digital, mas reconheceu que foram feitas ótimas produções nesse formato. “Eu vi o roteiro que é um texto do Antônio Prata, dirigido pelo Fernando Meirelles, que tem um elenco incrível e que descobriram um jeito usando esse formato, que não caberia em outro lugar. Eu achei genial, destacou. Ele conta que assistir à comédias o ajudou a se divertir em um momento tão difícil pelo qual estamos passando.

Para Betti, essa experiência vai alterar a dinâmica do teatro como a conhecíamos. “Esse jeito de fazer se mostrou também muito democrático porque acabou sendo visto em lugares que pessoas jamais veriam. Eu recebi pessoas de tudo quanto é lugar”, disse o ator. Ele também está preocupado com o futuro do teatro. “Vai ser difícil as pessoas quererem entrar no teatro”.

Grassi acredita que o formato digital permite a gravação de um espetáculo que antes era efêmero para ser assistido em outro momento e é uma maneira nova de criar. “O que a gente está vivendo hoje tem algumas descobertas incríveis, descobrindo outros públicos e outra dramaturgia”, afirmou. Segundo o ator, a nova estratégia já começou a incorporar no padrão de qualidade das pessoas, elas estão menos produzidas. “É um novo padrão de qualidade, a gente sempre foi habituado com o padrão de qualidade com aquela iluminação, aquele som, agora, a gente está começando a se habituar ao mais simples”.

Segundo Paulo Betti, a partir de agora o teatro presencial será, sempre que possível, gravado e transmitido. “Ao mesmo tempo que você está fazendo para aquelas 20 pessoas que foram te assistir no Rio ou em São Paulo, você está ampliando isso para outros lugares, inclusive cobrando ingresso, descobrindo outros públicos”. E, para ele, as pessoas vão auxiliar a salvar o teatro agindo de maneira colaborativa. “As pessoas estão testemunhando também que é muito emocionante que elas se sentem parte desse processo de ajudar o teatro a fazer o que ele pode nesse momento, porque no fundo a gente está fazendo o que a gente pode”.

Essa conversa pode ser assistida nas redes sociais do projeto, Instagram e Facebook e no canal do Sempre um Papo no Youtube, por meio do link: https://www.youtube.com/watch?v=FX9Y-mJ3R_0